As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

quarta-feira, 5 de março de 2008

Eterno amor passageiro

Esse teu desleixo de mim
Agride-me enquanto inbelo!

Torno a ser uma vontade qualquer
Uma necessidade comum
Como pintar os cabelos ou as unhas.
Fosse eu um desejo de sorvete, ao menos!
Um mousse de limão segunda à noite
Um doce de comer até enjoar...
Não essa saudade ruminante!!!

Bem, ao menos assim, eu me ensino a ser especial!
A ser flores nos momentos aparentemente sem importância!
(Pois flores especialmente é óbvio)
Ser um presente num dia inesperado
Uma canção que nasce na condução
Em um pensamento distante
Em um olhar pra alguém que me leia...

- Você! Isso! Você que me lê!
Eu me alheio a ti
E depois te mostro o que findei nessa reciprocidade
Enquanto não te olhava com os olhos.

Pela janela eu não via apenas a tristeza do mundo
Eu te sentia e meus sonhos comandavam minhas mãos
Oh! Meu novo e eterno amor passageiro!
Eu desesperadamente te beijava em palavras!
E sonhava com dias melhores...
Postar um comentário