As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

sábado, 26 de abril de 2008

Linhas Tortas

Na composição de nossos mundos
Eu vejo cada gota de lagrima e dor
Mas também, a alegria que herdou
Nossas mais distintas vontades
A guerra, a reza, a festa e o trabalho
Tanto sangue derramado
E uma descrente desilusão
A beira de uma profecia
A espera da luz que nos guia
Nesses dias de escuridão

O grito tapuia
A ordem branca assassinante
A cor dos sonhos tingidos
Numa tarde sem sossego
Nessas terras de Badzé
Encantado tempo sem re-volta
Só pra frente é que veremos
O que no passado escrevemos
Em linhas tortas
Postar um comentário