As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Arpejos de luz

O que fazer pra te desconcertar?
Como arrancar de ti a melodia dos teus poucos e tímidos sorrisos?
Eu te canto, mas tu sempre me tocas assim tão séria...
Re-quebre o andamento das coisas
Os meus olhos seguem tua direção!

Deixe-me ser uma extensão de teu corpo sonoro
E vibrar na tensão de um desejo
Alheio a tudo o que se passa em primeiro plano
Os arranjos, os jardins
As flores de teu vestido de cetim

Ouço atentamente
Uma orquestra perdida em teu jeito descontraído
Me observando com o pensamento,
Com um sentimento
Que te musicou em mim

Nunca mais esquecerei
As cores que teus sentidos me deram
Enquanto tingíamos novas canções dentro de nós
Sustenidos e bemóis
Em nossos corações
Relativamente apaixonados

Dois sons pra um mesmo nome
Não é tão simples assim! Que fosse, não importa!
O que agora me consome
São os intervalos que existem entre nossas harmônicas diferenças

Na tessitura em que rezo minhas crenças
Teus arpejos são luzes pra meus ouvidos!
Postar um comentário