As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Solidões

Eu não resisto
A essa tua forma de falar cantando
Louvando o sol que anistia teus braços
Teus abraços de tardio retorno
Os beijos de criança em meu rosto
O teu olhar vaidoso
O perfume, o corpo

Deixa
Que eu te trago em tragos largos
Com o prazer e dor de um vício
Não me largue
Estou preso, mas, largo de amor
Como uma folha, uma flor ao sol ao vento
Teus olhos me translando
Tua luz me fazendo fotossíntese

Pra ti, algumas palavras, frases, versos
Rimas comuns pra um mundo complexo
Um torpor pra acompanhar tua fisiologia
E qualquer sonho que te traga aqui
Que nos dê simetria, ritmia
Equilíbrio e suspensão no céu
Gravidade pra sonhar e manter os pés no chão
Seguindo caminhos

Uma coisa é certa
O que plantarmos em nosso coração
Regado à paixão em suor e sangue
Um dia nascerá, rasgando o peito
E crescerá pelo mundo
Cumprindo o seu papel
Em nossa flora complexa e delicada.
Postar um comentário