As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

terça-feira, 8 de junho de 2010

Ancestrais

Ela me dará outra canção?
Meu peito involuntário se contrai
Aguardando impaciente em oração
Ela me consome o coração

Mas o que construí
Não se desfez
(Ai!) Não se desfaz
E ha de não se desfazer jamais!

O passado, os ancestrais
Deuses tortos
O porto, o cais
Da igreja da sé à matriz do juazeiro
É o caminho de um mundo inteiro

A partida, a chegada
O reencontro, o confronto
O crescendo na orquestra!
Eu fico tonto.

Me prometeste uma existência longa e de prazer
Viver o amor, a bel felicidade
Warakidzã, o sonho, o rito de passagem
Rompendo os ciclos de nossa imortalidade

Que nos atrai
E se refaz
E nos disfarça
Só para nos reconhecermos mais

Ancestrais!

Minha menina, te dou tudo o que quiser!
Porque por ti, conheço o perfume da flor
Sou cariri, meu destino é ser cant’a dor
Vi a mãe d’água!  Sei teus segredos, mulher!

Ela me dará outra canção?
Postar um comentário