As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

A mente feito um Abajur.
Oferecendo ao olhos o subsidio da boca,
Rompendo o descanso da morada da lingua!
E o que digo é sentido como candeia
Em um canto escuro,
À meia luz, numa suave penumbra.
Sonhando a boa nova
Num sentimento crescente
Ou numa saudade minguante
Em minhas idéias de lua cheia...
Reflito, É tua, a luz que emito
As cores que canto
As flores também
Em cheiros, palavras,
Espinhos e outros prazeres
Desenhados pela casa
Na sala, no quarto, na cozinha,
Se antes era apenas tua, essa morada
Ao seu convite na madrugada
Essa noite ela também será eternamente minha
Postar um comentário