As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

sábado, 5 de janeiro de 2013

Lembrança II

Prefiro dizer que perdi as horas, por aí...
Porque faz mais sentido o caminho cantando
Sem contar ou demarcar compassos
Compondo os traços no sentido dos passos
Os meus, os teus, já perdi a conta
Observando as flores da estrada
Quebrando caminho pelas veredas
Nem sei mais onde é partida
Onde é chegada.

Os sons, os cheiros, as cores
A lembrança confundida dos beijos

A saudade me soprando a face
Minha pele queimada
Pelo sol, o suor me escorre, teu rosto
E assim, o tempo que vivo é relativo
Estou no mundo, penso em meu povo.
As vezes pareço estar louco
Esse lapso de poesia é para poucos
E o que me traz a razão
Até pelo o que acredito,
É a fé que levas consigo
É o amor que trago comigo
E toda paixão que me impulsiona
Por entre tantos desejos

Os sons, os cheiros, as cores
A lembrança confundida dos beijos


Postar um comentário