As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Razão Apaixonada

São melodias modais, mantras ancestrais
Os sons das luzes cadentes que cruzam a noite no firmamento
O prisma do olhar da Deusa mãe em sete raios refratada
Transmutando, feito Chama Violeta a dançar na madrugada,
Inspirando, ensinando ou relembrando aos poetas
O saber contraditório de sua razão
Que só tem sentido se vier do coração
Quando verdadeira a mente está apaixonada
A imaginação fitando o céu
Recriando o pensamento
Repensando a criação

A minha alma calma
Na inspiração celeste
Em meu corpo prestes
A sucumbir de amor
Sobre tantas vidas
Debruçada
Postar um comentário