As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Imprensa Oficial

Este mês a nossa impressa oficial esta conseguindo se superar... tenho acompanhado noticias bizarras, não sei se são mais absurdas as notícias ou a forma como tudo é noticiado, manipulado...
Bem, posso estar completamento equivocado, pois só tenho lido noticias na internet através dos compartilhamentos dos amigos. Prefiro acreditar e formar minha opinião a partir das grandes menorias.

"Fico feliz em observar as pessoas (tanto na realidade como no mundo virtual) que sonham, pensam, agem, e sim, também, que "curtem" e compartilham boas informações. Alias, informações essenciais pra uma possibilidade de vida melhor, minimamente com ideais de humanidade, justiça, igualdade, política, sustentabilidade, espiritualidade, respeito, arte... me sinto tomado por um sentimento de coletividade. Não julgo os que fazem mais ou menos, direta ou indiretamente, na rua ou na rede, apenas louvo simplesmente os que fazem! Que cantam com paixão, que protestam por paz, que medicam com sensibilidade, sentimento, que aram a terra com responsabilidade, os que legislam com amor, os que rezam com respeito, os que compartilham com bondade, os que estudam e ensinam e somam à sabedoria da humanidade, os que lutam pelos que não podem lutar...
Há esperança no mundo, claro, mas, se sempre houve e continuará havendo, é porque sustentamos, a utopia que seja.

Carregamos o peso ou a leveza que sabemos que temos que carregar, a responsabilidade é de quem tem a consciência. Sendo assim, que isso de alguma forma não seja pelo peso da obrigação, ao perceber, sentir a necessidade de melhorar o mundo, mas, pela leveza que escolhemos, mesmo que isso seja impossível e que doa!
Postar um comentário