As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

quinta-feira, 6 de março de 2014

Individido

Eu não consigo dividir as coisas, sabe?!
Não sei se isso é bom ou ruim
Brinco carnaval a lembrar dos problemas no mundo
Saio para comprar pão e ouço vozes a me chamar a razão
Sinto o sol e o vento a tocar meu rosto confundindo odor e perfume de poesia
Tenho saudade da família e penso no infinito do firmamento
Lembro dos amigos todos juntos, de ontem, de hoje e os de sempre
Tomo as ruas a protestar e lembro dos reisados brincando
Penso no amor e choro de revolta com injustiças que nos cercam
Penso nas solidões e nos reencontros, lembrando dos emails a receber
Escrevo canções e penso nas contas a pagar
A maldade do homem, a bondade da mulher
A inocência da criança, a alma anciã ancestral que se reveste de tempo
Fico imaginado os grandes mistérios da vida
Debruçado entre realidades e mundos e sonhos
Universos tantos, deusas, deuses, demônios, anjos, todos os santos
Mas a música, meu canto, é o que tenho de incerto e que me renova
Minha crença, ciência, magia, inquietação e calma
Penso no mundo, no Cariri, me sinto as vezes feliz entre aqui e ali
Penso em você, penso em mim, nos nós que demos e desatamos
Penso no inicio e no fim
Me sinto inteiro assim
A arte é um meio
Postar um comentário