As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

terça-feira, 11 de março de 2014

Relva

Ela
Uma imagem bela
Não por ser simplesmente ela a bela a imagem
Mas o todo
A paisagem
A canção que fluía dela
O movimento inspirado meu
O vento que soprava nela
A luz refratada no prisma dos seus olhos,
Formando uma réstia
A sombra da silhueta no chão,
Na alma da relva,
Junto ao coração em fotossintese na grama.
O tempo que aguardava as ultimas poesias da tarde
Logo se abriria pra nós.
Sabe-se la o que poderia escapar dessas lembranças...
Prefiro pensar que já estamos cheios de vazios.
De agora em diante, até não sei quando
Concentrar-me-ei no que nos foge ao controle
Na poesia viva que sempre acontece e nunca se repetirá
Enquanto houverem flores em nossas voltas
Postar um comentário