As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Tempestade e calmaria

O meu amor subiu às nuvens
Ela foi e eu fiquei aqui
Mas mesmo em tanta distancia
Sabemos que não é um fim
Uma dia eu vou, ou ela volta,
Mas por enquanto, conectados
Eu na terra, e ela no céu
Trocamos mensagens pelo espaço-tempo
E ela me manda chuvas e raios
Na energia que dança em bons ventos
Sou assim, danado, mas preciso também
De calmaria,
De saudade!
Sim, eu careço da sua paixão
Essa força divina, intuitiva
Que me faz poesia e tempestade
Nos dias de solidão
Postar um comentário