As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Andamento II

Sigo na noite
Sim. Devo estar perdido
Como o som do meu assobio no vento
Me encontro onde tudo posso e nada me envaidece
Sigo pelas vias aéreas
Ofegante
Batendo as asas, vôo rasante
Respirando tudo o que está no ar
O que restou do dia
(Porque nunca a manhã se demora
E nem é tarde demais)
Em uma música cíclica que agora se manifesta
E gira em torno de mim, saci, saltado brincando,
De um lado pra o outro
De meus hemisférios.

As luzes formam o cordão de pouso
Por onde vem e vão as idéias (ilusões?)
Ela está aqui cantando
De alguma forma
Ela está aqui dançando
A natureza de minha alma
Caminha madrugada a dentro
Madrugada a fora
Geralmente nessas horas
Eu paro em meu tempo
Em meu andamento
E guardo
Uma história
Pra quando acordar
Durma ou não
Meu corpo
Eu sonho
O mundo corre
Enquanto caminho brando
Postar um comentário