As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

sábado, 10 de maio de 2014

Moto-contínuo

Há uma contradição em mim...
Não. Não posso dizer "em nós".
Eu sei, não estamos sós. São tantos sóis
O que há além da individualidade?
Em que lugar do tempo
Deixamos de perceber na pratica
A música da chuva a cair do céu e escorrer pelas calhas?
O som paterno do vento a falar pelas janelas e portas,
Como a voz natural da consciência?
O silêncio dentro da gente quando no fim da tarde,
Esta se torna plena e orquestradamente luminosa
Como um guia espiritual?

Em que lugar não descansa o meu juízo sonâmbulo, entre noites e madrugadas tranqüilas, folheando o livro dos dias enquanto sigo, a vida, a pulsar em meu peito, feito uma estrela-parte do organismo quântico de deus, em mim, o todo, o meio?!...
Porque pensar no início ou fim
Se o tudo e o nada estão agora aqui?
Não perdi meu tempo nessa canção
Pra reencontrar apensas
Mais um sentido efêmero e relativamente real para existência
Dei tantos arrodeios,
Porque a vida é assim,
Uma corriqueira poesia infinita
Que carece mais sentimento que explicação.

São ciclos que se completam num moto-contínuo
E isso independe do universo
Estar ou não em expansão
Cada um de nós é um bigbang eterno
Delicado e simples
O ódio que transfigura-se em amor
E realimenta a alma, a mente
O corpo físico
O coração
Postar um comentário