As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

terça-feira, 7 de abril de 2015

Teoria da Inspiração


Poderíamos evitar os termos bélicos...
As atitudes rudes, agressivas
E nesse momento de transição
Entre o velho e o novo momento
Apenas defendermos-nos
E impor, expor o olhar, a alma
Jogar fora o peso do escudo e da espada
O não ataque é a melhor defesa.
Não ignorar, encarar os pensamentos maus
Assumir os sentimentos ruins
Para transpor, que assim seja, nossa humanidade
Estas forças existem e se manifestam em nós
Fazem parte de nossa composição e energia
Matéria organica inorgânica,
Priorizemos o amor
Essa forma de infinito
Inexplicável e simples
Como o universo
Paralelo, côncavo ou convexo
Todos são românticos versos
Cantados pelos menestréis errantes
Que montam estrelas cintilantes
A elevar e mergulhar na escuridão
Faróis de fé em esperança
A oralidade, a singularidade
Das mensagens orações
Em forma de canções
E poesias quânticas
Postar um comentário