As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Instrumento da Salvação

A maturidade é uma poesia
Que a vida deescreve
Em seu decorrer

Em prosa
O tempo dá
O tempo tira

Em versos
O espaço
Fica cheio e se esvazia
E num pulsar quântico
É prenho preenchido
Com sabedoria

E feito repente
A idade encara o mote:
A cara da morte

Repete-se em loops a canção
E a vida retorna-se:
- Instrumento de salvação
Partes de um todo, de um tudo
Inteiramos-nos ao nada, do nada
Juntam-se os cacos da consciência
Quebrados pela insistência
Da negação da física distância
Da espiritual lembrança
Da desnecessária explicação
Da existência
Postar um comentário