As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

sábado, 18 de junho de 2016

O Tempo das Flores

A florista lia um livro
Esperando o tempo passar
Mas o tempo não passava

E ela lia, e olhava a paisagem
Às vezes confundindo
Pessoas e flores
Perfumes  e vontades

Entre a fantasia e a realidade
A sua poesia amadureceu
Ela terminou o livro e sorriu
Porque o tempo passou
E ela nem viu
Postar um comentário