As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

A Canção do Vento

Ela percorre o cinza e verde
Da aridez aos olhos d'água
A beleza da velha estrada
Em busca das alegrias
Que fazem do caminho
A morada dos sonhos em flor

Da beira Rio à beira Mar
Folhas trilhando o vento
A margem das palavras
Na dimensão encantada
Onde as paixões
Refazem a alma
Cantar, viver, evoluir
Aprender
A preferir sorrir

Os que não se arriscam
Muito que possivelmente
Não saberão ler ou descrever
A poesia de um desejo
(Mesmo que passageiro,
Mesmo que reinventado),
A sinestesia do tempo nublado
Do cheiro do gosto da terra dos labios
O desaguar relapejado
A bênção de um grande amor

Fazer o destino
Deixar pra trás
As más tristezas
Lavrar o corpo
Nas aguas sem represa
Seguir em frente
Espalhar sementes
A canção do tempo
Da natureza
Postar um comentário