As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

domingo, 25 de dezembro de 2016

Candelária

No azul da candelária
A estrela renasce humilde
Por entre as torres, de alguma forma,
Há esperança
A luz escorre pelas frestas do tempo
E em uma inevitável triste constatação
O ódio e a incompreenção
Parecem não ter perecido
Sobreviveram a chacina
Como um macabro milagre às avessas
Respiro e sigo caminho
Deixando uma oração soar em mim:
Amor
Qual outra palavra e sentimento
Poderiam amenizar
A dor da deslembrança?

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Desperto

Perdoa-me
Amanhã
Passou por mim
E eu não estava

Em seus braços, alheio ao tempo
O amor incansável nos fez dormir
Como se a noite fosse tarde
E a madrugada o nascer dos dias
E se essas palavras não fizerem sentido
Que então nos façam sentimento
Porque se antes seria triste
Perder a poesia do sol nascendo
Agora abro os olhos
E tenho teu olhar
A mais linda manhã que nos demos
Livres no espaço, nosso leito
Um "horizonte de eventos"

Acordo, e ainda em silêncio
Por dentro estou cantando
Você aqui ao meu lado
Aos poucos despertando
Para juntos fazermos da tarde
A mais bela manhã que sonhamos

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Fecundo

Adoro os dias chuvosos
O Cheiro molhado das coisas
O som das gotas rompendo o céu
A luz branda filtrada pela densidade do ar
A contradição do tempo diminuto da natureza,
Em relação ao alvoroço sem sentido das pessoas.
Água por fora, água por dentro
O amor é liquido
Tudo é fluidez

Na cidade, a chuva lava
Por vezes até maldizida
No sertão, a chuva lavra
Feminino sêmen d'água
Que deixa a terra ungida
Fecunda o solo sem mágoas
Estancador de feridas

E se enverdecendo
A tristeza, a angustia
Tudo vai passando
Como a caatinga fulorando,
A bonina que rompe o asfalto,
Tudo finda. Recomeçando.