As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

sábado, 12 de novembro de 2016

Me Perco

Me perco
Me confundo sentindo
Forma, cheiro, som, gosto
As cores em você refletindo
Perco a direção
Me perco no caminho
Perco a razão
É tanta informação
Acesso lembranças na rede
Mas não encontro o seu coração
Há algo errado
Há muito estou parado nessa estação
E quando penso que não, passou
Perco o trem do acaso
Perco o trem do destino
Dei bobeira,
Perco a condução
Buscando uma sua última mensagem
Mas também percebo que perdi a passagem
Me encontro perdido
Viajo, me perco no espaço
Que estranho sentimento
Perco a gravidade
Perco até o tempo
Tudo o que encontro nesse vácuo
É uma força do universo:
Saudade
Tudo o que restou.
E mesmo descrente
Canto pra não perder a fé
Ai ai que bom! Que bom, que bom que é
As flores, se tornam poesias no caminho
Nessa bela paisagem
Outrora cheia de espinhos
Que agora sigo a pé

Por isso nunca perdi o amor
Nem a oportunidade de lhe dizer
Agradecendo tudo aquilo que sou
E o que sinto por você 

Postar um comentário