As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

domingo, 25 de dezembro de 2016

Candelária

No azul da candelária
A estrela renasce humilde
Por entre as torres, de alguma forma,
Há esperança
A luz escorre pelas frestas do tempo
E em uma inevitável triste constatação
O ódio e a incompreenção
Parecem não ter perecido
Sobreviveram a chacina
Como um macabro milagre às avessas
Respiro e sigo caminho
Deixando uma oração soar em mim:
Amor
Qual outra palavra e sentimento
Poderiam amenizar
A dor da deslembrança?
Postar um comentário