As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

domingo, 25 de dezembro de 2016

Candelária

No azul da candelária
A estrela renasce humilde
Por entre as torres, de alguma forma,
Há esperança
A luz escorre pelas frestas do tempo
E em uma inevitável triste constatação
O ódio e a incompreenção
Parecem não ter perecido
Sobreviveram a chacina
Como um macabro milagre às avessas
Respiro e sigo caminho
Deixando uma oração soar em mim:
Amor
Qual outra palavra e sentimento
Poderiam amenizar
A dor da deslembrança?

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Desperto

Perdoa-me
Amanhã
Passou por mim
E eu não estava

Em seus braços, alheio ao tempo
O amor incansável nos fez dormir
Como se a noite fosse tarde
E a madrugada o nascer dos dias
E se essas palavras não fizerem sentido
Que então nos façam sentimento
Porque se antes seria triste
Perder a poesia do sol nascendo
Agora abro os olhos
E tenho teu olhar
A mais linda manhã que nos demos
Livres no espaço, nosso leito
Um "horizonte de eventos"

Acordo, e ainda em silêncio
Por dentro estou cantando
Você aqui ao meu lado
Aos poucos despertando
Para juntos fazermos da tarde
A mais bela manhã que sonhamos

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Fecundo

Adoro os dias chuvosos
O Cheiro molhado das coisas
O som das gotas rompendo o céu
A luz branda filtrada pela densidade do ar
A contradição do tempo diminuto da natureza,
Em relação ao alvoroço sem sentido das pessoas.
Água por fora, água por dentro
O amor é liquido
Tudo é fluidez

Na cidade, a chuva lava
Por vezes até maldizida
No sertão, a chuva lavra
Feminino sêmen d'água
Que deixa a terra ungida
Fecunda o solo sem mágoas
Estancador de feridas

E se enverdecendo
A tristeza, a angustia
Tudo vai passando
Como a caatinga fulorando,
A bonina que rompe o asfalto,
Tudo finda. Recomeçando.

sábado, 12 de novembro de 2016

Me Perco

Me perco
Me confundo sentindo
Forma, cheiro, som, gosto
As cores em você refletindo
Perco a direção
Me perco no caminho
Perco a razão
É tanta informação
Acesso lembranças na rede
Mas não encontro o seu coração
Há algo errado
Há muito estou parado nessa estação
E quando penso que não, passou
Perco o trem do acaso
Perco o trem do destino
Dei bobeira,
Perco a condução
Buscando uma sua última mensagem
Mas também percebo que perdi a passagem
Me encontro perdido
Viajo, me perco no espaço
Que estranho sentimento
Perco a gravidade
Perco até o tempo
Tudo o que encontro nesse vácuo
É uma força do universo:
Saudade
Tudo o que restou.
E mesmo descrente
Canto pra não perder a fé
Ai ai que bom! Que bom, que bom que é
As flores, se tornam poesias no caminho
Nessa bela paisagem
Outrora cheia de espinhos
Que agora sigo a pé

Por isso nunca perdi o amor
Nem a oportunidade de lhe dizer
Agradecendo tudo aquilo que sou
E o que sinto por você 

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Romance

Temos tantos nomes
Que nem sei como te chamo
Ela quis guardar essa lembrança
E só tinha meus olhos

Eu só tinha seus olhos
E se quisesse chamá-la
Como as ninfas e sereias,
Apenas perdendo-me
Nos mistérios do mundo
Pra encontrá-la
Em nosso amor vagabundo
Somente cantando

No arrebol, desaguando
Tingidos desejos
Em nuances de vermelhos

Do vestido de nuvens
Ao espelho das águas
O desencantar
Na tardã lua cheia

Ah! Minha mãe das águas!
Derrame em mim teus segredos
Nem que eu me cegue
Ou enlouqueça
Arrisco perder meus medos

Sonho em te ver mais uma vez
Antes que a noite se vá
E a magia se quebre
E por alguma desnecessidade
...a gente se esqueça

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Bel Saudade

Ela
Em seu charme de horizonte
Tão bela feito céu
Não apenas limpo
Seja dia de sol
Ou nublada
Em chuva em tempestade,
Sua beleza é natural
E sua voz cantando
Me dá prazer e tristezas
Assim como é viver
E nisso está sua beleza
Verdadeira
Inevitável
Feminina canção
De todas as cores
E tonalidades
Que chega ao meu coração
Em outro hemisfério
Ecoando no vento
Do fim da tarde

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

A Canção do Vento

Ela percorre o cinza e verde
Da aridez aos olhos d'água
A beleza da velha estrada
Em busca das alegrias
Que fazem do caminho
A morada dos sonhos em flor

Da beira Rio à beira Mar
Folhas trilhando o vento
A margem das palavras
Na dimensão encantada
Onde as paixões
Refazem a alma
Cantar, viver, evoluir
Aprender
A preferir sorrir

Os que não se arriscam
Muito que possivelmente
Não saberão ler ou descrever
A poesia de um desejo
(Mesmo que passageiro,
Mesmo que reinventado),
A sinestesia do tempo nublado
Do cheiro do gosto da terra dos labios
O desaguar relapejado
A bênção de um grande amor

Fazer o destino
Deixar pra trás
As más tristezas
Lavrar o corpo
Nas aguas sem represa
Seguir em frente
Espalhar sementes
A canção do tempo
Da natureza

terça-feira, 23 de agosto de 2016

A pequena Esperança

Veio pra nos ensinar
A pequena Esperança
De que tudo vai melhorar 
Nosso amor foi assim,
Tão simples e difícil como perdoar

Quando a paixão toma o rumo
Do sentimento que emana
Tudo pode desandar
E até o mais sincero amor se engana

Poderia ter sido tudo mais simples
Tudo tão fácil, mas, não foi
Foi o que tinha de ser
E tanto crescemos
Não há o que se arrepender

Pois a vida nos colocou
Uma pequena Esperança 
E o que antes não havia solução
Hoje entendemos
Essas loucuras que inventa 
O coração
As erradas certezas que sente
A razão

Tão simples e difícil
Como educar uma criança  
Nosso amor foi assim
Aprender a perdoar
Com Esperança

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Crescendo Juntos

Sempre fui uma confusão de afins
A idade desacreditando
De tudo o que não se podia mudar
Ai, aprendi a pedir desculpas
(Inclusive pra mim mesmo)
E tocar uns três acordes de violão
E assim, sendo-me educado
E acreditando saber cantar
Sendo gentil comigo
Aprendi a te admirar,
Porque admirar a si mesmo nem é feio
Mas perigoso

Como te reconhecendo diferente
Apaixonados
Por tudo o que poderia ser impossível
(O que ensinaram ser impossível e errado)
Amar alguém alem do sexo, alem do gênero,
Amar alguém alem de amar alguém

Pintar os cabelos de azuis (vários tons de azuis)
Ter nascido e morrido
Renascido,
Em várias dimensões e tempos
Em ti, em mim,
Em todos os nossos filhos não nossos

Mesmo sentindo-me uma adolescente criança,
Me engano: Pareço que cresci um pouco...
Mas, não tanto a ponto de desonhar
Existe coisa mais boba na poesia
Que o neologismo?

E ja nao me cabem mais
Aquelas velhas ideias adolescentes
Alias, nem todas,
Muitas ainda me servem
Em seu desbotado silencio,
Tingidas de entardecer,
Ou roupas de dormir e sonhar,
Tudo aquilo que desuso
Quando estou nu
Quase sempre
Contigo

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Morte e Renascimento

O grande espirito concede
A deusa terra permite, e assim,
Banzé me relança no mundo
Iansã me guie nesse temporal

Sigo no meu intento
Mago pagão ateu cristão
Enfrentando todo mal
Trago meu grito de guerra
E de espada na mão
Invoco os ancestrais
São caboclos mestiços
Mestres, mestras,
Aprendizes
Figuras do Reisado

Lanço meu aboio
E danço em meu próprio laço
A voz ecoa no espaço
Numa melodia forjada
A sonho e aço
Em giro, num transe descalço
Me vejo: Eu sou o boi
E o capitão do mato
Meu inimigo
Esta dentro de mim
O ser humano bárbaro
Que acha que me dominou
Mas, rogo à mãe D'água
Para voltar a ser quem realmente sou
Na ansia de quebrar esse feitiço
De findar essa maldição
Refaço em canção
A reza de minha avó
A oração que ela me ensinou
Essa brincadeira, essa peleja
Começou ainda criança
E ainda nao findou
O inimigo está dentro de mim
Minha carne foi comida
Minha alma foi fundida
Com a daquele que me aprisionou
Hoje sou, e nao sou mais criança
Mas lembro de tudo,
De como tudo começou
Sou caboclo cariri beato,
pedinte cantador penitente
negro, mulher cantador renitente
Transfigurado com os traços do meu opressor
Trago todos os seus defeitos
Mas também a força bruta
Daquele que acredita que me dominou

No terreiro brincado reisado
Eu sou velho mestiço
Preta velha, negro, caboclo, índio
Senhor, sereia, menina
Rezadeira Curumim,
E refaço o caminho em mim
Daquele que me pensa
Que me exterminou
Hoje eu também sou meio branco
Mas como Chico, de alma incolor

Nesse terreiro, Mãe de santo
Me vejo em partes de tudo que fui
Agora, é hora de voltar
E consciente,
Ja sem ser mais inocente
É minha a responsabilidade
De fazer e disseminar poesia
Mesmo com toda dor,
Estando alem do sofrimento
Daquele que sente que me derrubou
Na brincadeira, assim como na realidade
Eu ja fui, hoje não mais sou
Aquele que me feriu.

Como o boi,
Morro e renasço
E assim refaço
Meu destino
Tendo que ser
Meu proprio mestre
Me ensinando o óbvio

Amor

sábado, 18 de junho de 2016

O Tempo das Flores

A florista lia um livro
Esperando o tempo passar
Mas o tempo não passava

E ela lia, e olhava a paisagem
Às vezes confundindo
Pessoas e flores
Perfumes  e vontades

Entre a fantasia e a realidade
A sua poesia amadureceu
Ela terminou o livro e sorriu
Porque o tempo passou
E ela nem viu

terça-feira, 7 de junho de 2016

Olhar

O teu olhar
O olhar do outro
O meu olhar
O olhar
O outro

A vista não detém toda visão
Quem se arrisca
Logo vê que está cego
Eu me nego a não ver
O que está certo
Tudo o que enxergo
É a beleza de tua poesia
Em minha voz
Em meu canto
Meu amor

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Esperança em Lá Menor

Vou chamar minha menina
Segurar na sua mão
Lhe dizer coisas tão lindas
De tocar o coração

Vamos la, minha pequena
Segura na minha mão
Que lhe fazer poesia
E voar na imensidão

Momentos tristes
Atravessamos
Mas mesmo assim
Sempre sonhamos
Pois pra vencer essa aflição
O amor será nossa oração

E lá do alto
Vou cantar nossa canção
Acalmar a tempestade
Do olho do furacão

E assim olhando o mundo
Em tão calma sensação
Teu olhar é de esperança
O meu de contemplação

sábado, 9 de abril de 2016

497 - Cosme Velho

Aguardar o 497
É padecer na esperança 
É duvidar da inabalável fé
É dormir e sonhar 
Adolescentemente 
Acreditando no perfume
Distante do tempo
Misturando-se 
À fragrância madura das laranjeiras
É viver a vida é seguir
Compor poesias
E rejuvenescer
Saudoso desejando
Encontrar o velho Cosme
Ainda vivo

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Saudade

A madrugada pode não ter suas cores
Em cinquenta tons de cinzas não lidos
Cegueira que estremecem os olhos
O aperto dos dentes travando a língua
Em susurros ou berros dos mais diversos amantes
Do copo quebrado à freqüência que escapole dos velho estereofones
Os sons perdidos por algum descuidado bêbado
Ou a fugitiva trilha da insone minissérie do apartamento vizinho
Confundindo-se com os felinos que percorrem os telhados sem medo
E os pré-históricos veículos a combustão
Rasgando a paz dos que abstraem ou bem convivem com sua intranquilidade

Se mantenho a luz acesa, vejo você claramente
Se apago as luzes
Ouço a dança dos seus passos no escuro do quarto
Sinto a melodia do seu cheiro
O peso leve do seu corpo em pele em mim
A harmonia do seu amor presente
Mesmo distante fisicamente

O zumbindo do silêncio em sua canção de mistério
É na verdade suave, a sintonia de minha confidencia
Minha consciência numa frequência divina feminina
Que me envolve em fé, segurança e desapego

Eu em um franco diálogo com minha individualidade
Em meu pretérito espírito e mente presente,
Não sei se estou domingo ou acordado
Por quantos segundos ou milhões de anos
Estou assim, sorrindo feliz ou brevemente agoniado
Talvez em transe pela abstinência que vibra meus neurônios
Elevando-me a um lugar encantando
Unindo dois pontos do universo
Se abro os olhos, e me cubro dessa verdade?
Se fecho os olhos, e sonho teus beijos?!
E se tudo isso for apenas na verdade
Uma poesia que lhe faço
Na saudade que me ensina
Que me inspira
Que me incita
Os desejos?

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Promessas

De meus pedidos
Como os três nós
Da mal colocada fita
Reinvento minha crença
Na poesia do sertanejo
Desfaço os laços
Então refaço
Os desejos



Avenida Paulista

No fim da tarde
A canção prisma no horizonte 
Ignorando os carros
A luz que reluz
(Seduz, deduz o transeunte)
Escorre por entre
As partículas subatômicas dos desejos
Sejam ou não egotistas
Os olhares se refletem
No dia que vai, que se esvai
Trazendo seus ais,
Na noite que vem
Trazendo ausência
A saudade do meu bem
Tocando minha paciência
Que pedala apaixonada
Pela avenida paulista
Como quem sai pra comprar pão francês
Na esquina de casa

terça-feira, 8 de março de 2016

Nossas Idades

Nas vaidades éramos mais que pelo menos
Mas foi chegado amor em sua barca
E já não carecíamos dizer nada
Depois de incontáveis incertezas
A sintonia habitou a morada de nossos sorrisos

Agora encontrado um ponto de verdade
Assim pudemos recomeçar
E traçar um novo destino
Seguindo pelas magnéticas ondas
Os caminhos
Em pulsos sinuosos e retilíneos
A menor distância entre dois tontos
À mais próxima estrela que nos ilumine
Se até à luz se curva
Porque eu não nos curvaríamos?!

No espaço rabiscamos sonhos
Na tridimensão que re-sentimos
Universos, dimensões 
Buracos negros
No céu infindo

E eu aqui catando notas
Juntando sons
Buscando rimas
Como uma cigana lendo mãos 
Eu olho pros veios do tempo
E interpreto a poesia das estrelas
É tudo uma questão de vento
A sombra o eclipse a gravidade
A lua reinando na maré cheia
Eu canto aqui de onde venho
Ela dança lá de onde veio
Tocados assim pela eternidade
Nos conectamos com nossas individualidade
Não importando os fins
E sim o processo dos meios
Porque todos soamos um
As cores, os sons
Desde o início
Até o berço
Partimos de uma
Singularidade
Na busca da evolução
Inventamos essa sutil forma de revolução, a canção
Pra poder vibrar nos desejos sintonizados

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Folguedo

Vem menina, me dá tua mão
E se perderes o momento
De entrar na roda
De marcar a dança
E responder o refrão

Sem problema

Isso tudo é uma brincadeira
O importante é dar as mãos
Tocar, cantar e dançar
Abrir o coração, seguir a vida
O mundo gira, a roda roda
O espaço do círculo cresce
O tempo vira, no céu,
O sol refaz sua rota
A lua cresce, fica cheia e míngua
O amor pode até morrer
Mas sempre há de renascer
Como quem aprende uma nova língua
Como quem compõe uma canção

E num piscar de olhos
Já será novamente o momento
De entrar na roda
De marcar a dança
De responder o refrão

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Incandescentes

Seduzidos pelo prisma da colorida luz
E - feitos psicodélicos vagalumes
Compusemos sambas Virtuais
Na madrugada chuvosa
Que nos beijou a face

Vimos a santa pela janela
Teresa chorava, mas não era só tristeza
Foram lembranças e alegrias formando
O leito e às margens do tempo
Entre um desgosto e outro da vida
O amor é um milagre que se faz
Candeia inocente
Indecente
Incandescente matéria em chamas
Lume em vela de sete vidas
E nossas almas cantam e dançam
Apaixonadas
Ofegam saudades
Gozam reecontros

Até que a morte nos re-úna
E outra realidade
Nos ampare