As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Adolescência

Os sentimentos se condensam
Tal qual uma carregada nuvem negra
Que se apresenta na forma de um dragão ou borboleta
Em pulsos elétricos que gorjeiam estrondos
Anunciando a tempestade
(Estou em minha adolescência)

E meu canto fala desses céus
Do que se vê, e do que esta além do firmamento.
Se daqui os pássaros e vapores densos
Nos são imagens do físico limite aéreo,
Logo depois dos olhos de onde minh'alma
Teve anterior morada, cantam crianças caboclas
Como anjos, confundidas.
São Cariris, erês
Warakidzãs, encantadas!
Juntos saldamos com respeito e honra,
Nossos mestres,
Anciãos e ancestrais!
Em suas presenças, trago a saudade,
Que guardo comigo a vida inteira
E vejo na fumaça que revoa no futuro, o passado

Dos tempos remotos da infância do mundo
Dos espaços mais distantes do universo
Dos jardins do quintal de minha casa
Das revoltas em rock'roll cantadas
Nas valsas de reisados dançadas
Em baiões de improviso com os pífanos
No sangue quente do jogo de espadas,
Grito as lembranças dos amores mais promíscuos!
Postar um comentário