As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Fecundo

Adoro os dias chuvosos
O Cheiro molhado das coisas
O som das gotas rompendo o céu
A luz branda filtrada pela densidade do ar
A contradição do tempo diminuto da natureza,
Em relação ao alvoroço sem sentido das pessoas.
Água por fora, água por dentro
O amor é liquido
Tudo é fluidez

Na cidade, a chuva lava
Por vezes até maldizida
No sertão, a chuva lavra
Feminino sêmen d'água
Que deixa a terra ungida
Fecunda o solo sem mágoas
Estancador de feridas

E se enverdecendo
A tristeza, a angustia
Tudo vai passando
Como a caatinga fulorando,
A bonina que rompe o asfalto,
Tudo finda. Recomeçando.
Postar um comentário