As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

sábado, 1 de junho de 2013

Composição


As vezes busco palavras
Na ânsia de preencher o mundo
Porque estou vazio-cheio de tudo
Colorir vida nos olhos, como sonha o pintor
E me deparo com o absurdo
De tentar compor uma nova canção
Mas te confundo, não sei se danço
Enquanto toco a música que preenche a cena
Quadro a quadro...
Mas, não me enquadro
É maravilhoso e estranho.
Sou comum.
Como o azul-branco do céu
E complexo,
Como o canto escravo da oração do poeta
Em sua fé, pra os deuses, as deusas que ele mesmo inventou...
E as tristezas do mundo que ele toma pra si

Sou a ferrugem que corroe as correntes da língua
Sôo a voz que estronda
No coração, outrora bruto, da fera
Que me dominou
E assim, componho a atmosfera:
Cinjo a luz da minha terra
Fundindo os tons da aurora
Em imagens, em canções, no movimento das frases,
Assumindo o papel do artista
Que nunca acho que sou.
Quando te encontro e roubo as palavras
Que sempre foram tuas
Por desejo
Postar um comentário