As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Andamento

Achava que havia esquecido
O quanto era boa a sensação,
Sair com os pensamentos descalços
Pelas ruas da tarde em juazeiro
Sorrir com os pés plantados no firmamento
Feito o doce algodão antes da missa dominical
Ver, ouvir a fé das pessoas
Sentir seus silêncios e orações
Sua paz e sabedoria humildes
Resistindo a arrogância dessa falsa ou equivocada modernidade.
Evoluído mesmo é quem é lento feito a eternidade
Quem fala cantando na língua das aves
A revoar na dança contemporânea
Dos ventos com as árvores
Postar um comentário