As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

sábado, 2 de maio de 2015

Escrevi no Feminino_

Ele anda procurando um amor
Corre o mundo,
Buscando o universo dentro de si
Em busca de paz
E perfeição

Nas voltas
Eu aqui ao seu lado
Sempre fui sua amiga,
Tudo o que precisaria
Pra não me apaixonar
Mas o que?!
Agora já era tarde

O vinho
E canção da noite
Brindaram nossa amizade
Embalando
Nossa despreocupação

Ofegantes cantamos
Varamos a noite
Essa longa estrada,
Percorremos paixões
Pela madrugada

Quando acordei, ainda sonhava
Ele ao meu lado estava
Tão lindo, numa poesia
De luz e cobertor
Ai como é bom!
Dormir
Sonhar
E acordar
Com este, aquele,
Qualquer um que seja,
Um verdadeiro amor
Postar um comentário