As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

sexta-feira, 7 de março de 2008

Qual o teu signo?

E eu que sempre fui tão honesto comigo mesmo, o que dizer?!
Saudade de algo em que nunca vivi?
Um amor tão complexo de singelo
Verbos impronunciáveis por nunca serem o bastante
Vontade de correr as sete léguas do teu corpo em desencanto
Na hora exata em que a manhã se despir do dia
E eu me despedir de tudo o não que poderíamos ser.

Por uma questão de espaço, tempo e saudade inexplicável
A cor dos meus olhos sempre acesos às tuas candeias de luz
Vagarão como uma imaginação confusa e inquieta
Da direção do incontrolável desejo que você me despertar
Sedento por teus versos assim tão íntimos
Em uma vontade de te abraçar e provar do teu signo
Reinventando a lógica dos nossos ascendentes
No silencio que meu beijo te dará!

Sim menina, sou capricorniano.
E você?
Postar um comentário