As palavras, em seus sons, estão aqui em processo, se transformando, como esse texto, incompleto, que um dia terminarei. O papel virtual de minhas realidades, sendo escrito enquanto logo, meus dados, na máquina, na rede de rendas digitais. Nas ladainhas, aboios e encantamentos, sentimentos ou/e em outros infindos indícios analógicos, que sim, ainda existem! E resistem, a qualquer falsa ou equivocada idéia de modernidade ou tecnologia. Tome cuidado com os meus acentos.
Eles podem brincar de mudar seus sentidos.
Estamos subentendidos?

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Palavra por palavra



Caminhamos
Sol'letrando nossas poesias
Sentindo o efeito dos sentidos,
Sentidos,
Mas, vividos em cada fase e frase
De nossas vidas con-fundidas
Nessas paginas que não existem
Mas por amor insistem! Existem!
E assim são,
Como nós,
Verdadeiros(as)

Escrevamos e vivamos nossas vidas
Tatuando as retinas com a flor desses versos,
Os ouvidos com nossas preces apaixonadas
Ecoando no vento
Palavra por palavra
Postar um comentário